A lenda do filtro dos sonhos

Peruíbe é uma cidade rica em cultura e diversidade. Aldeias indígenas já existiam na cidade muito antes da chegada de Martin Afonso de Souza.

A cultura indígena é algo que precisa ser melhor valorizada não apenas na cidade, mas no país como um todo. Nós do Soul Peruíbe queremos contribuir para o resgate e divulgação do povo indígena. À partir de agora, teremos um coluna especial em nosso blog, onde indígenas irão compartilhar todo seu conhecimento, cultura, lendas e histórias.

A lenda do filtro dos sonhos

Em uma aldeia viviam muitos índios fortes e saudáveis. Certo dia, uma forte doença atingiu seus habitantes.

Todos os dias em que o Pajé levantava de sua rede, olhava para sua aldeia e menos pessoas ele via. Todos estavam enfurnados em suas ocas, abalados pela forte doença que o Pajé nunca havia visto e não sabia como trata-la.

Já apavorado sem saber o que fazer, o Pajé ficou uma semana em jejum, pedindo a Nhanderu (Deus) que lhe ajudasse. Quando seu filho amanheceu doente, o Pajé, já sem forças e com o coração partido, apenas fez um pedido a Nhanderu (Deus):

- Nhanderu, não tire meu filho. Troco a minha vida por a dele!

Foram as únicas palavras que saíram de sua boca e ali mesmo na rede onde estava adormeceu, e teve um sonho que olhada para a porta de sua oca e de lá viu uma teia de aranha grande, bonita e com muito orvalho. A aranha ia até o centro e voltava repetidamente e em algum momento ela parou ao centro, querendo indicar algo. O Pajé então começou a prestar mais atenção com um olhar espiritual e através do centro da teia, ele viu uma planta que balançava lentamente.

O Pajé acordou rapidamente, olhou para a porta e lá estava a planta através da teia. Ele foi até lá e fez um chá para seu filho, que muito rápido se recuperou e saiu correndo para brincar.

E assim, todos da tribo foram curados, graças a Nhanderu que mostrou um sonho filtrado em uma teia.

Esta lenda foi enviada pelo professor da escola indígena Piaçaguera, Dhevan Kawin, da aldeia Awa Porungawa Dju. Conheça mais sobre a aldeia.

Comentários

Comentários

Deixe seu comentário