Catadora de conchas

O mar foi generoso esta manhã
Despejou no fim da praia
- cidadão civilizado –
o seu lixo reciclável.

Folhas, gravetos, frutos
Da tempestade noturna
E centenas de milhares
De pequeninos tesouros

Catadora de conchas
Um tanto arqueóloga
Acho um vidro aqui
Um caco de argila acolá

Enquanto remexo as conchas
Separo as cores e formas
De todos os tamanhos

As ondas cantam mais alegres
Banhando este cemitério;
Entre sussurros e risos,
Contam estórias de mistérios.

Anos atrás eu trazia
Crianças com seus baldinhos.
Certa vez apanhamos
Pequeninas e delicadas
Conchinhas cor de rosa
Que lavamos e secamos ao sol;
Depois fomos para casa
Acabar a brincadeira.
Em uma tampa de madeira
Colei uma gravura bonita
Escolhida pelas meninas;
Quando secou, ao redor dela,
Espalhamos conchas belas
Agrupadas com tal arte
Que imitavam rosinhas -
Cada qual fez sua parte
Num mimo pra vovozinha

Isto foi há muito tempo.
Neste momento
As meninas já cresceram
E esqueceram.
Eu é que viro menina
E com leves movimentos
Mergulho as mãos na água morna
E penetro no universo
Que ora canto em meus versos.

Texto de autoria de Sonia Regina Rocha Rodrigues, para o Soul Peruíbe. Sonia é escritora e médica. Autora dos livros de contos "Dias de Verão", (1998), É suave a noite (2014), Coisas de médicos, poetas, doidos e afins (2014) e um de programação neurolinguística "O Que Você Diz a Seu Filho? – (1999)
Em 1996, participou da fase regional do Mapa Cultural Paulista com o conto "A Auditoria", representando a cidade de Bebedouro. Sua monografia "A Importância da Cultura Para a Formação do Cidadão" foi utilizada pelo prova do Enem em 2011.

Comentários

Comentários

Deixe seu comentário