Viagem na Maionese

  Supercalifragilisticoespialidoso. Sete portas do céu e sete portas do inferno também. Urano em Escorpião. Caio Fernando Abreu e mais outros loucos – incluindo eu. Parece nonsense, mas é só a minha peculiar percepção de que a capacidade de absorver referências mil é tão inesgotável quanto as fontes de todas elas. E isso aí começa[…]

“Será que em cada rodoviária tem um casal apaixonado se despedindo?”

“Será que em cada rodoviária tem um casal apaixonado se despedindo?”, disse enquanto olhava pra dentro daqueles olhos meio tortos, o direito mais aberto e o esquerdo mais fechado – um delicioso charme, afinal. “Acho que sim”, respondeu a voz convicta de que, pelo menos naquela, havia com certeza. Entendia de Física e aceitava que[…]

Se você mesmo não se sacode, há sempre quem o faça por você

Ao som de “Being Boring”, dos Pet Shop Boys, o acaso me força a falar sobre essa hibernação que volta e meia me acomete. E é especialmente singular esse momento, porque nessa madrugada de inverno adentro eu não pretendia mesmo discorrer sobre qualquer assunto, não fosse essa obrigação vinda de um vídeo de Youtube e[…]

Um ciclo se fecha e um novo se abre

Meia-noite e eu ralando cenoura. Comendo em pé, encostada na pia, pensando no porquê de atitudes sensatas e previsíveis nunca terem me caído bem. Se eu suspirar mais fundo, explodo esses pulmões, certeza. Ainda assim, quero falar. Certas coisas têm de ser ditas e certas coisas têm de ser ouvidas. Algumas não são agradáveis, mas[…]