Cuidados essenciais com o pet durante as festas de fim de ano

Oie “AUmiguinhos”!  O final de ano chegou com tudo e nós (Bella e Nina) resolvemos compartilhar com vocês uma dica incrível da Farmina. 

Com as festas de fim de ano, sabemos como é importante tomar certos cuidados com os animais de estimação. Nessa época ocorrem muitas situações que demandam atenção dos tutores a fim de garantir o bem-estar e a segurança do pet. No artigo a seguir vamos falar de tudo que você precisa saber para passar essa época do ano com tranquilidade ao lado do seu melhor amigo.

Cuidados iniciais na hora da viagem

Na hora de viajar com um pet temos que ficar atentos a uma série de detalhes a fim de garantir um passeio seguro e tranquilo. Apesar de ser possível levar o animal em segurança, muitas vezes há um desconforto durante a locomoção. A brusca mudança de ambiente também é algo estressante. Cães geralmente lidam bem com um novo local, porém gatos levam um tempo (de dias a meses) para se habituar, e ficam tensos até se acostumarem. Além disso, nem sempre o local da hospedagem oferece tranquilidade e segurança necessárias para um pet.  Por isso, o primeiro ponto a analisar é se vale a pena levar o pet na viagem, ou se é melhor deixa-lo sob os cuidados de alguém.

Não levar o pet

Caso tenha optado por não levar, há duas possibilidades: deixar o pet em casa ou utilizar os serviços de um “hotelzinho”. Deixando em casa o tutor deve contar com ajuda de alguém de confiança para supervisionar o pet em sua ausência. Pode ser um amigo, parente ou vizinho que visite a casa diariamente para alimentar, limpar e até brincar com o animal. Importante escolher alguém que tenha familiaridade com animais de estimação. Existe também o serviço profissional de Pet Sitter, que são pessoas especializadas em cuidar de animais na ausência do tutor. Existem plataformas online, como sites e aplicativos, que possibilitam a escolha do profissional.

Para aqueles que preferem utilizar um hotel para cães e gatos, onde há profissionais 24h por dia cuidando, é necessário escolher minuciosamente uma boa opção. Veja dicas a seguir:

1) Primeiramente, verifique as informações do hotel por meio da internet, nas páginas de rede sociais como Instagram, Facebook e até Youtube. Pelo site você deve analisar as características principais como localização, estrutura e as regras para animais de estimação. Nas redes sociais verifique as avaliações e os comentários de pessoas que hospedaram pets recentemente.

2) Faça uma lista dos hotéis que se adequam ao perfil do seu pet, e se possível visite pessoalmente cada um deles, verificando as instalações e o funcionamento do estabelecimento.

3) Na visita, verifique a higiene, a ordem e o comportamento dos animais hospedados.

4) Confira se o espaço recreativo é amplo e se há atividades interativas com brinquedos.

5) Cheque se há um veterinário responsável e disponível para emergências. Na maioria das vezes, o profissional não fica no hotel o tempo todo, porém deve existir alguém conveniado.  Verifique também se há um hospital veterinário 24 horas na região, e qual a conduta da equipe do hotel em casos de emergências.

6) Verifique se as instalações são a prova de fugas.

Levar o pet

Se você chegou a conclusão que é melhor levar o pet com você, veja se o local da viagem (hotel, casa ou apartamento) oferece espaço, segurança e tranquilidade para o animal. Nem todos os hotéis aceitam cães e gatos, por isso, cheque com antecedência. O segundo passo é planejar o transporte para que seja feito com todas as medidas de segurança e seguindo as regras necessárias. Em viagens de carro, consulte o código de trânsito, e em viagens de ônibus e avião, verifique diretamente com as companhias.

Cuidados com a alimentação

Com as ceias de Natal e Ano Novo presentes, o risco da ingestão de alimentos indevidos é grande. Sabemos que é difícil resistir aos olhares pidões, mas devemos ser firmes a fim de evitar acidentes, intoxicações ou até mesmo o ganho de peso do animal. As refeições de fim de ano são perigosas pois contêm uma variedade grande de alimentos, dentre ossos, carnes temperadas, doces, castanhas, frutas com caroços, bebidas alcoólicas, entre outros que podem intoxicar ou até gerar uma obstrução no sistema digestivo. Lembrando que chocolate, uva passa e macadâmia, itens comuns nas festas de Natal, são tóxicos para cães e gatos.  Não corra o risco de uma emergência veterinária em meio ao Natal ou Réveillon!

Neste caso, a dica principal é manter o pet longe da mesa na hora dessas refeições. Deixar o animal com livre circulação aumenta muito as chances de um acidente acontecer, além de aguçar muito mais a vontade dele comer algo que não deve. Outra dica é oferecer a alimentação regular do pet pelo menos 1 hora antes da ceia, para evitar que ele esteja com fome na hora que todos sentarem à mesa. É importante explicar a todos que estarão presentes para que não ofereçam nada ao pet, pois muitos não sabem ainda que esse hábito é prejudicial.

Cuidados durante os fogos de artifício

Todos nós sabemos que as queimas de fogos de artifício é um grande problema para os animais de estimação. Por possuírem uma audição mais sensível do que a nossa, os cães e gatos geralmente reagem de maneira negativa aos barulhos causados pelos fogos. Para amenizar os momentos de ansiedade e evitar possíveis fugas ou traumas, separamos algumas dicas.

Dessensibilização dos ruídos

Caso tenha tempo hábil (algumas semanas), o ideal é fazer a dessensibilização dos ruídos, que consiste em um treinamento que diminui a sensibilidade do animal ao barulho. Esse treinamento é feito por meio da reprodução dos sons de fogos retirados da internet (Youtube) ou por um CD específico disso. O objetivo é fazer o animal perder o medo, entender que aquilo não é perigoso e tirar o foco do barulho. Preparamos um passo a passo de como fazer isso, clique aqui para ler o artigo.

Mudanças no ambiente

Fazer mudanças no ambiente nas vésperas das datas comemorativas pode ser uma medida eficaz para abafar o som. Dessa forma, é indicado fechar as portas, as janelas, colocar panos nas frestas e ligar a televisão ou rádio. Além disso, é interessante preparar um local que sirva de refúgio, um local aconchegante em um quarto que tenha pouco movimento. Lembre-se de retirar todos os objetos que podem oferecer risco aos pets, pois nos momentos do pânico, as chances de o animal esbarrar em algum material e causar algum acidente aumentam.

O que fazer durante os fogos

Durante a crise de medo dos fogos, é importante sempre manter a calma e demonstrar que nada de anormal está acontecendo, pois, os animais observam a reação dos tutores e caso ela seja negativa, o medo só vai aumentar. Também é importante não oferecer nenhum tipo de recompensa se o animal estiver estressado, amedrontado ou ansioso. Apenas ofereça se o pet estiver apresentando um comportamento adequado para a situação. Outra boa dica é não mimar e nem dar broncas. Geralmente essas atitudes não funcionam e ainda contribuem para aumentar a sensação de medo.

Caso o seu animal demonstre uma fobia intensa, procure um Médico Veterinário e verifique as possibilidades de tratamento. Algumas terapias como homeopatia, acupuntura e fornecimento de florais podem auxiliar na diminuição dos sintomas relacionados ao medo.

Outras dicas

Além de tudo que foi abordado acima, ainda temos outras dicas que envolvem as festas e as férias ao lado do pet:

- Calor excessivo: tanto cães como gatos são mais sensíveis ao calor que nós. No verão, a temperatura sobe muito rápido, portanto evite passeios e viagens entre 10h e 16h Cães de raça braquicefálica (aqueles com focinho curto) são ainda mais susceptíveis e podem ter graves problemas com o calor.

- Piscinas: alguns cães amam água, e com o calor do verão é comum eles pularem na piscina. Nunca deixe o animal sozinho ou sem supervisão, e só permita que ele entre na água caso consiga sair sozinho, isto é, sem precisar que ninguém o tire da piscina.

- Presentes: embalagens de presentes como fitas, laços e outros objetos podem ser facilmente engolidos, fique atento.

- Aglomerações: nessa época do ano é comum haver aglomerações nas ruas, evite sair com seu pet nesses momentos.

- Gatos: considere que na maioria dos casos é melhor deixar o gato em casa sob a supervisão de um Pet Sitter, pois a mudança de ambiente é muito estressante para os bichanos. O gato demora de semanas a meses para explorar todo o ambiente novo e se sentir à vontade, e até que isso não ocorra é comum ele se recusar a comer e ficar escondido.

- Praias: levar o cachorro na praia geralmente não é uma boa ideia na época de festas. Além do excesso de pessoas, facilitando que o animal se perca, pode haver sujeira e restos de comida. Muitas prefeituras proíbem o acesso de cães à praia para evitar a transmissão de doenças, principalmente através das fezes desses animais.

- Alimentação: além do que falamos acima, vale lembrar que oferecer uma alimentação completa de qualidade e específica para as particularidades do seu pet é fundamental para mantê-lo saudável o ano todo. Caso você queira receber uma orientação a respeito, clique aqui e preencha o Plano Nutricional Farmina. Você ainda vai receber um desconto exclusivo que só a Farmina oferece para os participantes do Plano.

Esperamos ter ajudado você a ter um final de ano tranquilo com o seu animal de estimação. Caso você tenha alguma dúvida, entre em contato conosco via redes sociais ou deixe um comentário abaixo.

Aguardem novidades sobre a Farmina aqui na nossa coluna PET no Soul Peruíbe. Obrigada pelo carinho de sempre, Center Vet de Peruíbe e Casa de Rações Falcão.

Aproveite e nos siga no Instagram @bellaeninaoficial para não perder nenhuma novidade.

Conteúdo by Farmina.

Conheça mais sobre a Farmina. Siga eles nas mídias sociais e acesse o site:

https://www.facebook.com/FarminaPetFoodsBrasil

https://www.instagram.com/farminabr/

https://twitter.com/farminabrasil

https://www.farmina.com/br/

Editoria pet administrada por Bella e Nina, blogueirinhas, mascotes do Soul Peruíbe, apaixonadas por aventuras, diversão e pela terra da eterna juventude.

Aumigo, seremos sua voz e lutaremos em seu nome!

Brincar, correr, pular, lamber, latir e viver. Uma vida não deveria importar mais ou ter maior valor do que a outra. Todos os seres vivos merecem o direito de viver com liberdade e dignidade, ainda mais o “melhor amigo do homem”.

Aumigos, nesta semana ficamos chocadas com uma atrocidade e violência sem limites. Um crime que resultou em um final triste, o fim da vida de um ser do bem, um cachorro de rua.

Apesar de nós sermos blogueiras, nós somos vira-latas. Viemos de famílias diferentes, mas fomos adotas pela nossa família de humanos que nos acolheu com muito amor, cuidados, proteção, segurança e carinho. Esta também poderia ter sido a história de vida do nosso aumigo, que infelizmente teve sua vida interrompida tragicamente.

Segundo o artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais (nº 9.605/98) considera crime as práticas de abuso, ferir ou mutilar animais domésticos, silvestres, nativos ou exóticos e que podem render pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

Esperamos que a justiça seja feita, que a morte do nosso aumigo não seja em vão e que mais pessoas comecem a denunciar práticas de violência contra animais, mas o que desejamos mesmo é que os humanos entendam que a vida deles não é mais importante e valiosa do que a de um animal e que ele não possui o direito de agredir os melhores amigos do homem.

Você já parou para reparar quantos animais de rua você encontra no seu dia? Quando quiser um cachorrinho ou um gato não compre, adote. Milhões de animais abandonados sofrem com maus tratos. Muitos deles estão pelas ruas, praças e comércios perambulando, cheios de amor para dar e só aguardando seu sonho ser realizado, ser adotado e ter um lar.

'Infelizmente a dor que nosso aumigo sofreu não será apagada, assim como sua vida não será trazida de volta, mas seremos sua voz e lutaremos em seu nome". Bella e Nina

Editoria pet administrada por Bella e Nina. Blogueirinhas, mascotes do Soul Peruíbe, apaixonadas por aventuras, diversão e pela terra da eterna juventude.

Alimentação de cães: educação à mesa

Oláaaaaa “AUmiguinhos”!  Nós (Bella e Nina) adoramos as dicas da Farmina.  Apesar de sermos suuuuuper fominhas, nossos "papaizíneos" sempre tentam nos educar para comermos de forma mais saudável. Não resistirmos em compartilharmos com vocês este texto incrível da Farmina, com dicas sensacionais para quem quer educar seus cães.

Nosso tema de hoje pode parecer até um tanto cômico numa rápida leitura do título, mas se formos considerar que realmente os cães são cada vez mais tratados como membros da família, a questão da ‘educação à mesa’ passa sim a fazer todo o sentido. Nossa proposta aqui nestes textos é tentar contribuir para uma relação cada vez mais saudável e feliz (para ambos os envolvidos) entre os cães e as pessoas. Então, fique atento e veja como tornar o momento da alimentação mais prazeroso para você e seu amigo.

Podemos educar nosso cão a comer de forma mais saudável? 

Sim, podemos! Educar o cão a se alimentar de uma forma saudável não é difícil. O primeiro passo é reconhecermos que um cão não é uma pessoa, e que, portanto, a maneira dele se relacionar com sua alimentação é totalmente diferente da nossa. Por isso, devemos escolher um alimento que supra todas as necessidades, e que ao mesmo tempo respeite a natureza dos cães como animais carnívoros. Existem no mercado alimentos com essas características, onde mais de 90% das proteínas vêm de  ingredientes de origem animal. Não se esqueça de escolher o produto indicado para o porte e a idade do seu cão. Cães precisam de comida de cães, e não da nossa!

Por isso, nada de ceder aos olhares pidões do seu cão quando você estiver comendo. Por mais que achemos cruel não oferecer a nossa comida, precisamos entender que cães não criam laços emocionais com os alimentos. Comer significa muitas vezes um evento social para nós. Há casos onde um alimento pode até trazer lembranças de momentos bons de nossa vida. Sem falar quando comemos não para nos nutrirmos e alimentarmos, mas, buscando um prazer momentâneo. Cães não têm nada disso. Cães comem por instinto e quando sentem fome. Os pedidos insistentes para obter um ‘teco’ do seu almoço, podem ser na verdade muito mais um pedido de atenção do que uma necessidade fisiológica dos cães. É um erro achar que os cães sentem as mesmas necessidades que a gente na hora de comer.

Já falamos em outros textos como certos hábitos podem ser maléficos para a saúde dos cães. Oferecer petiscos em excesso (mesmo que sejam próprios para cães), dar restos de comida e/ou partilhar nossa alimentação com a deles são exemplos disso. E novamente: cuidado para não confundir um pedido de atenção com fome! Aqui vale ressaltar que se o cão já ingere um alimento pronto completo, não há necessidade de oferecer outros alimentos, mesmo que sejam carnes, por exemplo. Qualquer macronutriente em excesso (proteína, carboidrato ou gordura) irá contribuir para o aumento de peso corporal do animal.

Petiscos e outros alimentos que cães adoram geralmente têm um sabor e um odor muito pronunciados, extremamente atrativos. Essa atração acaba “viciando” e por isso eles sempre vão buscar esses petiscos novamente. Cães interpretam instintivamente que alimentos muito saborosos são grandes fontes de energia, necessária para sua sobrevivência.

E lembre-se: precisamos evitar que os maus hábitos se iniciem! Se o animal já provou um pedaço de salame, será muito difícil que ele ‘esqueça’ essa experiência. Afinal, as comidas processadas geralmente possuem muitos temperos e aditivos, a fim de torná-las mais atrativas para nós, seres humanos. Agora imagine o efeito que um pedaço de salame, cheiroso e rico em gorduras, tem sobre um olfato muito mais poderoso que o nosso? É um verdadeiro êxtase! Se o animal entra em contato com esse tipo de alimento, a impressão deixada em seu cérebro será quase inesquecível, dada a potência dos agentes estimulantes do olfato neste tipo de alimento. Ou seja, se você proporcionar uma amostra de determinado alimento inapropriado, cada vez que o seu animal sentir esse cheiro ele vai querer repetir a experiência, SEMPRE.

Horários e quantidades 

Para assegurar que seu cão esteja com suas necessidades nutricionais plenamente atendidas você deve checar a quantidade de comida que está oferecendo. Para isso, verifique que no verso da embalagem da ração sempre há um demonstrativo da quantidade correta de acordo com o peso do cão. Fêmeas gestantes e cães que praticam muita atividade física devem ter a quantidade um pouco aumentada. Caso essas situações não estejam descritas na embalagem, fale com seu médico veterinário de confiança para que ele calcule corretamente. Quando o animal apresenta sobrepeso ou obesidade também é necessário ajustar a quantidade de alimento. Novamente, o médico veterinário pode te ajudar, principalmente porque existem alimentos prontos recomendados para animais com esse tipo de problema.

O mais indicado é sempre dividir a quantidade total preconizada em 2 refeições para animais adultos, e em 3 a 4 para filhotes. O horário das refeições deve ser sempre respeitado, formando uma rotina à qual o cão irá se acostumar. Prefira dar a primeira alimentação logo pela manhã, facilitando assim a sua vida se você trabalha em horário comercial e fica o dia todo fora. A segunda porção pode ser aproximadamente 10 a 12 horas depois da primeira.

Hábitos indesejáveis

Alguns hábitos alimentares podem ser prejudiciais:

- Agitação excessiva: alguns cães são muito comilões, e acabam ficando muito agitados na hora da refeição. Esse hábito é ruim porque pode gerar congestão, engasgos, e até mesmo casos de torção gástrica, que necessitam de tratamento cirúrgico urgente. Caso seu cão faça isso, iniba esse comportamento parando imediatamente de oferecer o alimento. Só ofereça novamente quando ele se mostrar mais calmo.

- Mendigar comida: cães aprendem muito por observação. Quando percebem que estamos comendo eles tentam de alguma forma ganhar um pedaço. Como dissemos antes, isso pode ser um mero pedido de atenção, ou um vício que nós mesmos criamos nele. Ao oferecermos algo do nosso prato nós estamos fazendo um reforço positivo de um comportamento indesejado. É assim que eles aprendem a mendigar comida. Portanto, não ofereça petiscos quando você estiver comendo.

- Recusar o alimento: é muito comum vermos casos onde os proprietários relatam que o cão não quer comer por motivo de: “ele enjoou da comida”. Os cães dificilmente “enjoam” do alimento completo. O que na maioria dos casos ocorre é que o comportamento errado do dono ensina o cão, que ao rejeitar o alimento oferecido ele ganhará mais atenção e outros alimentos “super atrativos” (petiscos, comida caseira). Assim, ele acaba adquirindo o hábito de rejeitar a ração, pois já percebeu que irá receber recompensas por isso. Outro detalhe é que muitas vezes o cão nem está com fome ainda. Caso ele realmente esteja sentindo fome, dificilmente ele vai recusar a alimentação oferecida. Vale lembrar que caso o cão pare de comer de repente, pode ser algum problema de saúde. Se suspeitar de algo não deixe de visitar o médico veterinário.

E se eu tiver mais de um? Como alimentar uma família numerosa

Sempre que houver mais de um cão na casa, devemos manter o número de potes de comida e de água na mesma proporção. Cães seguem uma hierarquia no grupo, e sempre vai haver o que toma a iniciativa na hora de comer, o líder. Apesar disso, é bem comum que haja disputa pelo alimento, pois nem sempre o cão liderado vai aceitar essa submissão. Por isso, o ideal é alimentar todos separadamente, iniciando pelo cão que você já percebeu que é o líder. O fato de você oferecer o alimento primeiro para este líder servirá para confirmar essa posição de liderança para o resto da matilha, ajudando a criar um ambiente harmônico e com menos conflitos. Caso um dos cães seja muito afoito, mesmo que aparentemente não seja o líder, recomenda-se alimenta-lo separadamente a fim de evitar brigas.

Seguindo essas dicas você fará do momento da refeição uma parte prazerosa do dia-a-dia do seu relacionamento com seu grande amigo. Continue acompanhando nosso blog e o da Farmina, que sempre temos textos novos sobre os animais de estimação.

Aguardem novidades sobre a Farmina aqui na nossa coluna PET no Soul Peruíbe. Obrigada pelo carinho de sempre, Center Vet de Peruíbe e Casa de Rações Falcão.

Aproveite e nos siga no Instagram @bellaeninaoficial para não perder nenhuma novidade.

Conteúdo by Farmina.

Conheça mais sobre a Farmina. Siga eles nas mídias sociais e acesse o site:

https://www.facebook.com/FarminaPetFoodsBrasil

https://www.instagram.com/farminabr/

https://twitter.com/farminabrasil

https://www.farmina.com/br/

Editoria pet administrada por Bella e Nina, blogueirinhas, mascotes do Soul Peruíbe, apaixonadas por aventuras, diversão e pela terra da eterna juventude.

Cuidados básicos com cães filhotes

Queridos “AUmiguinhos”, não é novidade que nós, Bella e Nina somos “AUpaixonadas” pela Farmina e por suas dicas maravilhosas. Confira esta super dica da Farmina sobre cuidados com filhotes.

Filhotes são sempre cativantes. Quem nunca pensou em trazer filhotinhos para casa? Este artigo é para quem está em vias de pegar, ou acabou de receber um, ou vários cãezinhos, com dicas e esclarecimentos muito importantes que irão ajudar a cuidar tão bem dos novos membros da família.

Cuidados com o recém-nascido

Caso você seja o tutor da fêmea gestante, terá que cuidar dos filhotes assim que eles nascerem. Após o parto, irá se deparar com os recém-nascidos, chamados também de neonatos.

Essa é a fase mais delicada e frágil de qualquer ser vivo, e nos cães compreende do nascimento até o 14º dia. Durante esse período, os cães são cegos, surdos e incapazes de regular sua temperatura corporal, dependendo inteiramente da mãe para viverem. Os cuidados imediatos após o nascimento são feitos pela mãe. Em casos em que há a separação da mãe e filhotes, os cuidados podem ser feitos pelos tutores, e incluem: secagem do recém-nascido e a limpeza e desobstrução das narinas e boca com auxílio de uma compressa limpa e seca. Uma fricção delicada no tórax para estimular a respiração também é necessária. O acompanhamento do médico veterinário é indicado nessas situações.

Os neonatos vivem praticamente o tempo todo dormindo e se alimentando unicamente do leite materno. O primeiro passo é preparar um local confortável que seja coberto, seguro, silencioso, e longe do frio. Verifique sempre a temperatura do ambiente, os neonatos são muito sensíveis à baixas temperaturas. Caso seja necessário, coloque uma lâmpada incandescente (pode ser um abajur) próxima para aquecer o ambiente, mas mantenha ela alta o suficiente para os animais não encostarem, evitando queimaduras.

O melhor é manter a mãe e as crias no mesmo local onde ocorreu o parto, de preferência numa caixa de papelão bem espaçosa, forrada com jornal e com algum pano ou toalha. Outro ponto de atenção é avaliar se todos os filhotes estão mamando regularmente, e ganhando peso progressivamente. Aos 15 dias de idade, eles devem já pesar o dobro do que no nascimento.

Nunca é demais lembrar que recomendamos o acompanhamento do médico veterinário nessa fase, começando do final da gestação até pelo menos até o 14º dia de vida dos animais. Principalmente no parto, pode ser necessária a ajuda de um profissional. Somente ele pode interceder caso qualquer intercorrência ocorra, por isso, não hesite em contata-lo caso surjam dúvidas.

Cuidados durante a infância

A partir da terceira semana de vida, os filhotes já serão mais independentes, e sua supervisão deve ser ainda mais rigorosa. Os filhotes são normalmente curiosos e vão explorar, roer e até comer tudo que puderem, esse é o seu comportamento natural. Portanto, remova todos os tipos de fios expostos, e restrinja o acesso a produtos de limpeza, remédios, brinquedos infantis e plantas potencialmente tóxicas como: Antúrio, Azaleia, Babosa, Comigo-ninguém-pode, Lírio, Costela de Adão, entre outras. Tome conta para que eles não saiam andando pela casa, com o risco de sofrerem quedas em escadas ou até sacadas. 

Alimentação: Entre a 4ª e 5ª semanas você pode oferecer ração de filhotes umedecida como um complemento ao leite materno. Aos poucos vá aumentando a oferta de ração, os filhotes irão diminuir a amamentação naturalmente. Nessa fase é importantíssimo utilizar uma ração de alta qualidade para suprir a alta demanda energética e proteica dos animais em crescimento. Após a 8ª semana eles já devem estar comendo apenas ração, e você pode oferecer 3 a 4 refeições ao dia.

O cão deve comer o alimento próprio para filhotes até a vida adulta. O fim da fase de filhote varia de acordo com o porte, veja:

Porte pequeno (até 9kg): a partir dos 10 meses já podem ser considerados adultos

Porte médio (10 a 25kg): a partir dos 12 meses já podem ser considerados adultos

Porte grande (26 a 40kg): a partir dos 18 meses já podem ser considerados adultos

Porte gigante (acima de 40kg): a partir dos 24 meses já podem ser considerados adultos

Educação: Assim que o filhote começar a ouvir e enxergar, a educação do tutor deve ser iniciada. Nessa primeira fase da infância, procure expor o cãozinho ao contato com seres-humanos, à manipulação, aos ruídos, e ao odor das pessoas e das coisas que ele irá conviver no futuro. Ele vai explorar tudo, e esse é o momento crucial para impor limites e mostrar as regras e a rotina da casa. Locais que ele não pode acessar ou objetos que ele não pode pegar devem ser avisados através de uma “bronca”, sem o uso de violência.  É importante repreender o filhote durante a ação indesejada ou no máximo segundos depois do ato, pois é fundamental mostrar liderança a partir dessa fase.

Necessidades fisiológicas: Utilize tapetes higiênicos ou jornais, e discipline o filhote a usar uma área específica da casa. Isso pode ser feito passando papel com urina do cão no jornal ou área desejada, ou identificar sua necessidade pelo comportamento de farejar demais um local, e já conduzí-lo ao ponto escolhido.  Tenha paciência para corrigi-lo quando errar, sendo firme - sem agressões - repreenda-o na hora com um comando negativo em alto tom de voz (não!), e elogie e agrade quando ele acertar.

Atividade física: As brincadeiras e o exercício físico são fundamentais para os pets.  Estimular o filhote através de jogos e brinquedos permite conhecer a personalidade e o potencial dele. Para iniciar as atividades com seu filhote, escolha uma coleira adequada para seu tamanho. É importante desde cedo acostumá-lo, ainda que apenas dentro de casa, para que fique familiarizado com seu uso.

Banhos: Desde cedo devemos acostumar o cão a tomar banho para tornar esse momento mais agradável. É prudente esperar até que o filhote termine o esquema de vacinação para dar o primeiro banho. Utilize apenas xampus próprios para cães. Caso seja necessário banha-lo antes disso, você pode optar pelo banho a seco. Existem produtos específicos para esse tipo de higiene.  

Cuidados com a saúde

Já demos algumas dicas de saúde para os animais recém-nascidos, onde a mãe cuida de praticamente tudo, e o seu trabalho é somente supervisionar. Após esse período, o tutor deve se atentar a algumas questões:

Vacinação: A vacinação fornece estímulo ao sistema imunológico para o organismo defender-se de doenças. Até que se complete o protocolo de vacinação, é recomendável evitar o acesso à rua e o contato com outros animais. Veja abaixo:

1ª dose aos 45 dias de idade - Vacina polivalente (também conhecida como V8 ou V10)

2ª dose 21-30 dias após a 1ª dose -  Vacina polivalente

3ª dose 21-30 dias após a 2ª dose - Vacina polivalente

A partir da 12ª semana de idade -  Vacina antirrábica

Obs: O protocolo de vacinação pode ser diferente de acordo com sistemática de trabalho do Médico Veterinário

Vermifugação: Os primeiros meses de vida são os mais suscetíveis a infecções parasitárias, principalmente devido à curiosidade que os leva a explorar e lamber\ingerir objetos. Ainda que o filhote não tenha acesso à rua ou a outros animais, ele pode ter vermes intestinais. Fale com o Médico Veterinário para checar qual é o protocolo de vermifugação a fazer.

Pulgas e carrapatos: Além de causar um grande desconforto ao animal, as pulgas e os carrapatos transmitem doenças para ele e para os seres-humanos. O controle desses ectoparasitas deve ser realizado paralelo ao cuidado com ambiente, uma vez que pulgas e carrapatos adultos que você encontrar serão apenas 5% do total no ambiente. Limpe regularmente os locais onde o animal tem contato, como caminhas, casinhas, sofás, cantos de parede e vãos entre os móveis. Utilize produtos de limpeza apropriados, além de um aspirador de pó que irá literalmente sugar os parasitas do local. Verifique com o Médico Veterinário qual medicamento usar no filhote caso ele esteja com infestações.

Agora você já sabe melhor quais são os cuidados básicos na criação de um filhotinho. Continue acompanhando nosso blog e o da Farmina, que sempre temos textos novos sobre os animais de estimação. 

Aguardem novidades sobre a Farmina aqui na nossa coluna PET no Soul Peruíbe. Obrigada pelo carinho de sempre, Center Vet de Peruíbe e Casa de Rações Falcão.

Aproveite e nos siga no Instagram @bellaeninaoficial para não perder nenhuma novidade.

Conteúdo by Farmina.

Conheça mais sobre a Farmina. Siga eles nas mídias sociais e acesse o site:

https://www.facebook.com/FarminaPetFoodsBrasil

https://www.instagram.com/farminabr/

https://twitter.com/farminabrasil

https://www.farmina.com/br/

 

Editoria pet administrada por Bella e Nina, blogueirinhas, mascotes do Soul Peruíbe, apaixonadas por aventuras, diversão e pela terra da eterna juventude.

 

A saúde e o bem estar animal começam com uma boa alimentação

Nós adoramos aventuras e diversão, mas não há nada no mundo que faça nosso coração bater mais forte do que aquele momento especial: curtir um delicioso almoço ou jantar!

Cordeiro ou Frango? Sempre bate a gula e a dúvida sobre o que escolher na hora da refeição. Mas como quem tem pets deve saber, nada melhor para cuidar com muito amor e carinho da saúde do seu pet do que uma ração de qualidade.

E como promessa é dívida, nosso compromisso com vocês queridos “AUmiguinhos” será de trazer sempre dicas e novidades do mundo pet, com produtos que utilizamos e suuuuuper recomendamos.

O novo amor das nossas vidas é a Farmina. Gente, se ela fosse uma pessoa, com certeza adoraríamos abraçar com muito amor e agradecermos por tantas delícias.

Quem nos apresentou essa delícia dos deuses e são os responsáveis pela nossa saúde e qualidade de vida é o Center Vet de Peruíbe. Além de eles serem nossos veterinários, sempre nos dão as melhores dicas sobre como manter a saúde em dia.

Quando soubemos da ração ficamos super animadas para provar e corremos já para a Casa de Ração Falcão para conferir esta delícia. Como sempre, encontramos todos os sabores da Farmina lá mesmo e já saímos cheias de sacolas e ansiosas para o jantar… rs.

Como todas bloguerinhas que se prezem, temos uma dieta super balanceada, mas sem perder toda a felicidade de comer bem e curtir coisas gostosas. Seja no almoço, no jantar ou até mesmo nos momentos de lanchinho...rs, não pensamos duas vezes. Sempre nos alimentamos com a N&D Pumpkin da Farmina.

A ração sabor cordeiro é um alimento sem grãos com alta quantidade de ingredientes de origem animal (mais de 60%), abóbora e vegetais que têm muitos benefícios e diversas propriedades nutricionais.

MAS POR QUE ABÓBORA?

A abóbora é um legume que tem algumas características nutricionais únicas e múltiplas propriedades benéficas:

  • Baixo índice glicêmico;
  • Fonte de betacarotenos (Vitamina A) e antioxidantes naturais;
  • Regula a motilidade intestinal;
  • Alta digestibilidade;

Queridos “AUmiguinhos”, são tantos sabores deliciosos que é praticamente impossível escolher um favorito. Cordeiro, abóbora e blueberry; Frango, abóbora e romã; Peixe, abóbora e laranja. Dá água na boca só de listar estes sabores deliciosos...rs.

E além de todos estes cardápios incríveis para o paladar pet, todas as linhas são desenvolvidas especialmente para tipos diferentes de pets, distribuídos nas categorias Puppy, Adult, Sensitive, Light e Senior.

Bom, nós duas estamos aqui “AUpaixonadas” pela Farmina e por todas estas delícias. Temos ainda muitas novidades, dicas e recomendações para contarmos sobre a empresa e produtos, então aguardem novidades sobre a Farmina aqui na nossa coluna PET no Soul Peruíbe.

Aproveite e nos siga no Instagram @bellaeninaoficial para não perder nenhuma novidade.


Farmina: natureza e ciência em perfeita harmonia

A Farmina é uma empresa de origem italiana e por isso o cuidado e o carinho com a família, com os animais e com os alimentos estão em sua essência.

Eles acreditam que a nutrição é a chave para garantir a qualidade de vida dos pets e por isso desenvolvem os melhores alimentos para cães e gatos. Pets saudáveis e felizes trazem tranquilidade e alegria às famílias.

Eles possuem o cuidado de respeitar a origem e os instintos de cada animal e por isso os produtos são desenvolvidos com base na combinação entre natureza e ciência. Valorizam as características natas de cães e gatos, procurando entender os hábitos, comportamentos e necessidades desses animais. Investem forte em pesquisa e inovação, desenvolvem estudos na área de nutrição e acompanhamos de perto as descobertas mais recentes na área.

O resultado é uma série de produtos que não só alimentam, mas também atuam na prevenção e na manutenção da boa saúde dos pets.

Conheça mais sobre a Farmina. Siga eles nas mídias sociais e acesse o site:

https://www.facebook.com/FarminaPetFoodsBrasil

https://www.instagram.com/farminabr/

https://twitter.com/farminabrasil

https://www.farmina.com/br/

 

Texto enviado por Bella e Nina, blogueirinhas, mascotes do Soul Peruíbe, apaixonadas por aventuras, diversão e pela terra da eterna juventude.