Quintal de casa

De um instante para o outro fomos privados de um dos nossos maiores bens, a liberdade.

Liberdade de curtir um dia na praia, passear pela cidade, tomar um banho de cachoeira e mais um monte de outras coisas que estamos acostumados e que nos faz tão bem.

A quarentena nos pede isolamento para que possamos juntos, e ao mesmo tempo separados, conter este vírus que tanto nos assusta e com razão.

Este isolamento social nos fez repensar nossas atitudes e formas de ver a vida. Nos abre os olhos para coisas que estão no nosso dia a dia e que muitas vezes na correria acabamos não percebendo.

E com um tempo maior dentro de casa, porque não contemplar as belezas do nosso próprio quintal? Dizem que a grama do vizinho é sempre mais verde. Será mesmo? Será que é porque você não dedica um tempo a admirar seu próprio jardim? Faça essa reflexão!

Nós fizemos esta reflexão e vimos que não estávamos dando o carinho e atenção que nosso quintal merecia. Por muitas vezes, considerávamos as praias, cachoeiras e a natureza externa como nosso quintal, onde eles recebiam toda nossa atenção na hora de contemplarmos e fazermos fotografias.

Mas esta quarentena nos trouxe um outro tipo de liberdade, a criativa e artística.
Exploramos mais as belezas naturais, em casa. Isso mesmo, sem sair, bater perna na rua, passear por pontos turísticos nem nada. A beleza do quintal de casa, com toda sua fauna e flora.

Vimos que um simples inseto, não tem nada de simples. Que uma flor perfumada, aguça também nossos outros sentidos. Que a vida e o amor estão em tudo ao nosso redor.

Que uma abelha deve ser vista e compreendida como um personagem importante do nosso ecossistema, que seu trabalho de polinização é o que deixa nossos dias mais floridos e coloridos.

Que a libélula, conhecida também por ter significado místico, representa a imortalidade e a regeneração. Mas ao mesmo tempo nos traz uma magia e fantasia sobre a liberdade e processos de mudança.

Mudança e renovação. Essas são as palavras de ordem do momento. Momento em que a liberdade e isolamento não coexistem em uma mesma frase. Será mesmo? Podemos ver tudo sobre outra ótica e usarmos a liberdade como a de expressão e o isolamento, como momento de reflexão. Quem sabe desta forma, a vida fica mais leve e calma, mesmo que seja apenas em nossos pensamentos.

E por falar em pensamentos, eles vão e vem nesta quarentena. Muitas incertezas e apenas uma única certeza, de que o mundo não será mais o mesmo depois disso tudo.

O que podemos fazer neste momento é ficarmos em casa cuidando de nossa mente, famílias, quintais, para que muito em breve possamos voltar a voar e cantar liberdade como estes presentes da natureza, ilustrados aqui nestas belas imagens.

Imagens de Zé de Matos, co fundador do Soul Peruíbe. Fotos tiradas no quintal de casa, durante a quarentena.

Texto de Karina Martins, admiradora das belezas do quintal de seu pai. Filha do Zé e também co fundadora do Soul Peruíbe.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Comentários

Comentários

Deixe seu comentário